terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Natal = Festa do Papai Noel ? (3)


Todo ano, por esta ocasião do Natal e Ano Novo, sempre republico um post que, na minha opinião, o texto ainda faz todo o sentido, sempre!
Neste ano, muito se diz de profecias Maya e o fim do mundo em 21/12/2012.
Não será o fim do mundo. Teremos Natal em 2012 e Ano Novo de 2013.
Por isto tomo a liberdade de republicar, com as devidas atualizações:




É Natal! Data festiva. Período de reflexão.

Olhe bem em sua volta.
Veja nas revistas, nos jornais, na televisão.
Repare a decoração de Natal. Nas casas, nas ruas, nas lojas.

Se você mora em São Paulo, não deixe de ver os enfeites, arranjos e fachadas ao longo de toda a Avenida Paulista e entornos. E por toda a cidade...

Tudo gira em torno do bom velhinho, o Papai Noel. As cores predominantes são o vermelho e branco, que remetem à sua fantasia. Os temas de fundo são árvores de natal (pinheirinhos), fábricas de brinquedos, gnomos e anõezinhos ajudantes do Polo Norte, renas, trenós, imitações de neve e roupas quentes...

Nada que "combina" nem com a época do verão tropical que vivemos no hemisfério sul, nem com a essência do Natal de todas as épocas.

O Natal se transformou na Festa do Papai Noel. E não deveria!...

A celebração, que era em nome do Filho (menino Jesus), agora é em nome do pai (Noel).

Raramente* se vê como enfeite ou decoração um presépio, que simboliza o nascimento de Jesus - daí o nome Natal! E não é decoração, é de coração!



(foto de um presépio em prata no cristal, por AndréM)
(* = no ano passado já observei mais presépios pela cidade e lojas do que em vezes anteriores)


A festa é justificável. Afinal, é um aniversário que se comemora.

E a troca de presentes entre as pessoas presentes, também. Pois o aniversariante não está presente fisicamente, e em sua memória agradam-se uns aos outros.

Daí pairar o tal "espírito de Natal", porque em vez de dar presentes materiais, doa-se bondade, extensível a quem puder.

É tempo de se alegrar, perdoar, envolver, devolver, de caridade, de cara e coragem, de qualquer idade.

Quando for desejar um "Feliz Natal!" neste ano, queira dizer "Feliz Aniversário, menino Jesus! Parabéns pelos 2012 anos! Que a festa seja boa e alegre! E que vivamos 2013 melhor ainda! Com muita paz e saúde!".


Estes são os votos mesdrianos para vocês, amigos leitores:


FELIZ NATAL EM 2012,
E QUE 2013 VALHA A PENA!
SEJAM FELIZES E ESTEJAM ALEGRES!
AMEM!
AMÉM.




Bônus:

Infames:

Qual o nome da Mamãe Noel?
http://famainfame.blogspot.com/2012/12/mamae-noel.html


iPad e outra coisa, de presente de Natal
http://famainfame.blogspot.com/2011/12/quantos-presentes.html


Perguntinha 1 pro Papai Noel (Ho-Ho-Ho-Ho)
http://famainfame.blogspot.com/2011/12/Perguntinha-pro-papai-noel-ho-ho-ho-ho.html


Perguntinha 2 pro Papai Noel (Ho-Ho-Ho-Ho)
http://famainfame.blogspot.com/2011/12/Perguntinha-2-pro-papai-noel-ho-ho-ho-ho.html



sábado, 1 de dezembro de 2012

Pendurado, na pindura


Por um fio
desafia a morte.
Pende, amarrado.
Prende o ar amargo.
Esquece o medo
e segue em frente,
enfrenta assim,
abaixo e acima.
Há um trabalho a ser feito,
feito homem,
feito gente.
Pra ganhar a vida,
seu sustento,
sustenta-se no ar
e arrisca a perder a vida.
Mas nada é perfeito.
A limpeza, o reboco,
o detalhe, a pintura...
No vazio, o dia termina oco.
E à noite? Ô, que vida dura!
Amanhã tudo recomeça.
Quem diria? Parece bom à beça,
mas ninguém de lugar trocaria...
É muito pra cabeça!



( texto de André Martin,
criado na Oficina de Escrita Criativa do ILP -
Instituto do Legislativo Paulista,
inspirado nesta imagem do fotógrafo de Bruno Oliveira )


terça-feira, 30 de outubro de 2012

Perda de Tempo



Ouvi hoje pela rádio uma declaração que o PT (Partido dos Trabalhadores) só espera sair o resultado final das condenações do mensalão para emitir uma nota oficial dizendo que o julgamento de seus partidários, no caso conhecido como Mensalão, foi uma injustiça!...

INJUSTIÇA??!!

Ora, isto está sendo apreciado e julgado pelo Supremo Tribunal de Justiça, corte de maior instância da nação brasileira, que supõe-se constitucionalmente regida pelos TRÊS PODERES: Legislativo, Executivo e Judiciário.


Como pode um pensamento desses? 
Uma afirmação dessas vinda de um representante dos políticos do legislativo e executivo, tendo como ícones a atual Presidente do Brasil e o próximo prefeito de São Paulo, a maior cidade do país, seria como NÃO reconhecer a soberania do próprio regime democrático no país!
Uma declaração dessas, é assinar uma intenção explícita de insubordinação aos Três Poderes, que em outras palavras quer dizer GOLPE!

Imagina!... Chamar de incompetentes aqueles que têm nas mãos o dever e a missão de zelarem pela justiça com lisura e legitimidade, muitos deles colocados ali pelo próprio ex-Presidente do Brasil, que também é do mesmo partido cujos integrantes estão sendo reconhecidos, com provas, indícios e evidências, como culpados dos crimes que cometeram...

Só pode ser uma brincadeira impensada, se for verdade. 
Ou senão, preparem-se todos para uma desgraça maior que poderá se abater sobre nós cidadãos honestos e crentes de um futuro melhor.
Serão gente escudadas pelo poder, defendendo bandidos e ações vergonhosas.

Eu acho que além de corretamente serem condenados, se a justiça assim o decidir, deveriam obrigar a DEVOLVER toda aquela dinheirama para os cofres públicos. Afinal é meu dinheiro de impostos que sumiu e não reverteu pro povo (só pros bolsos daqueles "coitados").

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Situação complicada, bem simples


"Você sabe que a coisa está realmente complicada,
quando se pergunta:
' o que há?
o que está acontecendo?
por que está assim?
como chegou a este ponto?
',
e obtém sempre uma resposta diferente, ou várias!"


Mesdre

domingo, 9 de setembro de 2012

Parceria


"Melhor do que olhar um para o outro,
é caminharem olhando na mesma direção."

(dito popular)


Isto pode ser prático, mas não é romântico.

O perigo desta frase é ela mascarar outra realidade...

Qual o problema de ser romântico? De se entregar aos sentimentos, de cantar os encantos do amor de se deixar levar irracionalmente pela paixão, de querer que momentos prazerosos sejam eternos, e que este seja sempre seu presente?

Seria ótimo, mas não é possível viver só de amor, o tempo todo, como eternos pombinhos apaixonados, como num conto de fadas, como numa estória de livro ou filme.




O bom desta idéia (da frase) é a mensagem de que não dá pra ficar parados no tempo. Um casal precisa uma hora saber que a ilusão do presente de uma "infinita" paixão ardente acaba, e que a vida continua. É preciso seguir adiante pelo futuro afora.

E assim sendo, é melhor que sigam na mesma direção, compartilhando o caminho na busca de novos horizontes, e juntos superar as incertas dificuldades que certamente surgirão.

Se um segue adiante e o outro fica parado, seja no tempo, seja na paixão do passado, não há casal seguindo juntos lado a lado. E sim cada um por si. Ou apenas um prosseguindo e o outro ficando.

Por isto, cabe uma ressalva para a outra interpretação nada romântica da mesma frase acima.

Em termos de relacionamentos amorosos, só é melhor deixar de se entreolharem o tempo todo para caminharem adiante e olhando em frente, SE estiverem de mãos dadas, abraçados ombro a ombro ou mãos nas cinturas, e pensando um no outro, recíproca e mutuamente.

Porque, não raramente, o que acontece na prática, é continuarem a caminhada na mesma direção, mas com visões individualizadas.

Isto não é parceria!
Um par, seria.


Apenas um casal, levando a vida, e deixando a paixão para trás... Uma visão realista, quem sabe se não cheia de falsas aparências e simulações. Pode ser prático, mas é triste sem o tempero da paixão.

O pior é quando se parte desta premissa da frase acima, cada um com sua interpretação, uma romântica e a outra prática.... Não basta a ilusão do amor, a própria paixão seria ilusória, desde o início.

Talvez por isto é que se diz: paixão não dura, paixão é chama que se apaga, paixão não é amor.

Se a percepção e a visão da paixão for individualizada, a semente e o cultivo do amor também será, e este não terá solo fértil para se desenvolver e evoluir.

Sobretudo se ambos estiverem em movimento, seja em sentidos opostos ou seja na mesma direção, sem a atenção compartilhada, sem a cumplicidade e intimidade de uma legítima parceria.

Senão, só um par seria.




PAR quer dizer dois juntos.
Parceiro/a (ou partner) quer dizer aquele/a que faz parte ou toma partido.

Isto vale não só para pessoas e relacionamento pessoal, mas também para empresas e vínculos profissionais.

Empresas que são parceiras de outras, pessoas jurídicas que fazem acordos (= parceria) com empresas, são exemplos no mundo corporativo. Em geral, esses acordos são regidos por contratos, como num casamento.

Empregados/funcionários estabelecem uma parceria quando são contratados, caso a caso. Mas se eles e a empresa agem como parceiros dedicados, leais e justos, isto é outra história.

Pode ser que, como sugerido na frase, estejam apenas seguindo em frente, talvez só alguns deles...




Bônus:

1) Um trocadilho com Parceria, usando a "técnica do tapperware:
http://famainfame.blogspot.com.br/2009/01/verdade-acondicionada.html


2) Parceria, uma das palavras de 2011 nesta genial animação:
http://famainfame.blogspot.com.br/2011/12/palavra-visual-2.html

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Entregando minha opinião


Por que a mídia, principalmente no jornalismo esportivo, insiste em querer fazer emplacar a expressão ENTREGA, para significar o oposto do que sempre significou?

Querem nos fazer entender, como se fosse a melhor expressão do momento, que o emprego da palavra ENTREGA quer dizer "dedicação, comprometimento, empenho"...

No entanto, entregar quer dizer "passar para outro, livrar-se, dedurar, trair uma pessoa, grupo ou esquema, dar-se por vencido".

Sobretudo no futebol e nos jogos competitivos, quando sempre se disse que "fulano ou o time ENTREGOU o jogo", significava desistência, resultado arranjado para perder, geralmente em troca de recebimento/pagamento nunca comprovado.

Sim, é verdade que o verbo quando pronominal, ENTREGAR-SE, quer dizer "dar de si, submeter-se, colocar-se nas mão de alguém, render-se, deixar-se dominar ou dedicar-se inteiramente".

Mas nas TVs, rádios, jornais e revistas (inclua-se internet), recentemente passaram a dizer que "no jogo é preciso ENTREGA" (em vez de SE ENTREGAR), e com muita insistência (ou falta de conhecimento, recursos ou vocabulário, para variar?)...

Será por que eles já querem mascarar ou minimizar, através da disseminação da confusão, a corrupção cada vez maior nos esportes profissionais, em todas as camadas, inclusive entre os atletas, além da já tão suspeita cúpula administrativa?

Fiquei curioso, pensativo. O que você acha?

A propósito, a tradução de entrega em inglês é DELIVERY, que qualquer brasileiro entende muito bem o que significa. Se não é do tão influente idioma que emprestamos esta distorção de uso e entendimento, de onde será que vem esta tendência?


sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Compensa?


"Ao contrário do que se pensa, na prática
os patrões não premiam
quem trabalha corretamente,
e trabalho honesto
não é garantia de sucesso."


Mesdre


quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Lavar ou não o carro? (3)


Motivos para LAVAR o carro:


Depois de ter enumerado vários argumentos para NÃO se mandar lavar o carro, no primeiro post deste tema em 19/08/2012, e de fazer uma enquete sobre sua opinião do porquê das pessoas não lavarem seus carros, no post anterior em 20/08/2012, agora listo alguns bons motivos para fazê-lo.


1) O carro fica mais cheiroso, é melhor a sensação de estar dentro

2) Com os vidros limpos, das janelas e pára-brisas, e dos espelhos retrovisores, enxerga-se melhor e dirige com mais segurança

3) Causa a ilusão agradável e vaidosa de que todo mundo lá fora fica olhando pra gente e admirando a limpeza do carro (a gente pensa que todo mundo sabia que ele estava imundo por tanto tempo)

4) Pode convidar as pessoas a entrarem no carro e dar carona, sem ter vergonha do que poderiam pensar (se é que quem deixa o carro sujo corre mesmo esse risco...)

5) Vai poder ficar de novo outro tempão sem ter que mandar (ou ser mandado) lavar o carro novamente

6) Pode abrir o porta-malas sem sujar as mãos (ou deixar suas impressões digitais expostas ali)

7) Seu carro fica mais visível à noite, porque os faróis e as lanternas traseiras passam a ser melhor vistos de mais longe (portanto, razões de sergurança).

8) Os lavadores não quererão cobrar mais caro na próxima vez que lavar o carro (desde que isto não demore muito a acontecer de novo).

9) Bom para a memória: você vai se lembrar de qual era a verdadeira cor do seu carro!

Se continuar pensando, certamente haverá outros argumentos...
rsrs




[ veja algumas razões para NÃO LAVAR o carro em
http://mesdre.blogspot.com.br/2012/08/lavar-ou-nao-o-carro-1.html ]


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Lavar ou não o carro? (2)


Enquete:

A partir da polêmica enumerada no post anterior (de 19/08/2012), surge a seguinte pergunta, e que nos leva à enquete abaixo, para saber sua opinião.


Pergunta:

E por que não abrir um lava-carros, já que tanta gente confessa não lavar seu carro?

Resposta:

Acho que o potencial de clientes seria grande, se não fosse a inadimplência!



Enquete:

Qual será a principal razão que as pessoas não levam seus carros para lavar?

A (_) grana curta?
B (_) acham caro?
C (_) falta de tempo?
D (_) fora do caminho?
E (_) pura preguiça?
F (_) falta de vaidade?
G (_) questão de princípios (e conceitos)?
H (_) porque acredito que sempre que lavo o carro, chove?
I (_) desculpas esfarrapadas acima, assumidas como verdadeiras?


Se a maior parte votar honestamente em A, não vale a pena abrir empresa só para ter trabalho sem remuneração, talvez nem trabalho!





[ veja algumas razões para se LAVAR o carro em
http://mesdre.blogspot.com.br/2012/08/lavar-ou-nao-o-carro-3.html ]


domingo, 19 de agosto de 2012

Lavar ou não o carro? (1)



Vantagens de se deixar o carro sujo:


1) A crosta de sujeira externa funciona como capa e protege a carroceria e a pintura de mais sujeira

2) Economiza-se água e material de limpeza, ou pelo menos o valor que se pagaria para mandar lavar

3) Em não se pagando pra lavar, a procura diminui e os lava-carros devem reduzir o preço que cobram

4) Não despeja detergente ou sabão no meio ambiente, portanto ecologicamente correto

5) Evita que namoradinhos e pessoas mais folgadas encostem no seu carro e o usem como assento ou apoio

6) Evita flanelinhas e pedintes de semáforos, que vão procurar outros carros mais bonitos, lavados e cheirosos para estorquir

7) Afasta (espera-se!) ladrões e bandidos de sequestro-relâmpago, que irão procurar outros carros mais limpinhos para roubar

8) Promover competição de qual carro está mais sujo ou há mais tempo sem lavar, pode ser divertido

9) Um carro nunca lavado, ou lavado muito pouco, conserva o cheirinho de carro novo até uns 20.000 km

10) Até os outros carros (melhores e limpinhos) evitam bater em carros sujos e maltratados, com medo deles não terem nem seguro para cobrir os custos dos reparos, e sobrar na conta deles

11) Sempre que a gente lava o carro, chove; assim, não lavar pode ser uma tentativa para espantar o tempo chuvoso

Com certeza tem mais, mas estas já seriam suficiente.
rsrs





[ Por que as pessoas NÃO LAVAM os carros? Pesquisa em
http://mesdre.blogspot.com.br/2012/08/lavar-ou-nao-o-carro-2.html ]



sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Destratamento


"Às vezes a gente insiste num tratamento por anos
pensando que o remédio que tomamos vai nos curar
sem perceber que é essa droga que envenenava mais."


Mesdre


sábado, 11 de agosto de 2012

Definições (6)


"ROTINA é
a metodologia repetitiva aplicada
para otimizar e acomodar execução de processos
como uma tendência automática,
e liberar a mente
para tirar proveito de outras novidades e aprendizados;
mas quando ela se torna o foco da atenção,
transforma-se em tédio e desejo de fuga para outra realidade."


Mesdre


sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Definições (5)


"TRISTEZA é
o sentimento de abandono que toma conta,
quando as lembranças e preocupações
prevalecem sobre
a consciência das alegrias
e se ignora a beleza que acerca."


Mesdre


quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Definições (4)


"ALEGRIA é
quando o sorriso insiste em surgir
de graça e por qualquer motivo,
como válvula de escape
para uma alma leve e contente."


Mesdre

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Definições (3)


"ANIVERSÁRIO é
o recomeço de um novo ano particular e pessoal,
em que se completa mais uma órbita ao redor do Sol,
desde o momento que passou a fazer em vida
esta viagem com a Terra!"


Mesdre


Que as alegrias possam brilhar
como as estrelas em noite escura e sem nuvens!

Que este e os próximos anos
sejam sempre de sucesso astronômico!

Que os 5S estejam sempre presentes!
"Êsses" 5 "ésses" são:
- Saúde,
- Sorte,
- Sexo,
- Sucesso, e
- Sacoscheiosdedinheiro!

Com dádivas!
Sem dívidas!


domingo, 5 de agosto de 2012

Definições (2)


"DEPRESSÃO é
o sentimento que se instala no que resta
quando não se vê mais saída
e não se tem mais esperanças."


Mesdre


Não ver ou não ter,
não é sinônimo nem garantia
que não exista!

E sempre resta alguma coisa,
enquanto não é a morte.


sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Definições (1)


"DESESPERO é
a angústia diante se uma situação urgente,
para a qual não se estava preparado."


Mesdre


Preparação NÃO é garantia nem sinônimo de solução.
Mas neste caso pode evitar o desespero.

Outro ingrediente importante nesta equação,
é a urgência que a situação pede para quem precisa enfrentar.



segunda-feira, 23 de julho de 2012

Carinho


"Carinho é um troço engraçado,
a gente tem dentro da gente,
mas escorrega pelos braços,
e fica na ponta dos dedos,
na palma da mão,
e vai querendo se transformar
em abraço,
em carícias,
às vezes sobe
e fica passeando pelos lábios...
tem dias que desce demais..."


Paula Barros (http://pensamentosefotos.blogspot.com.br)


Resumindo,
CARINHO a gente tem dentro da gente,
e, de tão caro, querido e precioso,
provoca transformações,
ações que transforma!


quarta-feira, 11 de julho de 2012

Ser bipolar


Algumas pessoas são bipolares.
Seu comportamento mudam da euforia para depressivo, e vice-versa,
sem estágios intermediários graduais e sem aviso-prévio.
Geram incompreensão nos desavisados e afetam os que os cercam.
Não têm controle. Precisam de tratamento.

Descobri que meu humor é bipolar.
Muda da euforia para depressão e vice-versa, de uma hora para outra.
Alegro-me ao sentir o sol de cada dia e
céu azul, nublado, estrelado ou enluarado.
Sorrio com o jeito mágico das crianças,
com a música, arte, cultura e ciência.
Deprimo-me com as injustiças sociais e
as condições financeiras - próprias e em geral.
Uma explosão confusa de sentimentos contraditórios,
que se misturam em sua expressão e tradução.

Enfim, um humor bipolar.
Mas só vários humores... Eu, não!
Eu sou uma pessoa normal,
Simplesmente normal,
apenas complicada.
Talvez um realista pessimista,
de ótimo humor.
rsrs




Bônus:

Talvez se interesse saber qual a diferença entre Realista, Otimista e Pessimista:

http://famainfame.blogspot.com.br/2011/04/realista-x-otimista-x-pessimista.html


quarta-feira, 4 de julho de 2012

Opiniões


"Ter direito à diversidade de pensamento e opinião própria
tem suas desvantagens.

Veja por exemplo:

EU SOU O CARA MAIS LEGAL QUE EXISTE
e que eu conheço...

Pena que as pessoas não reconheçam e concordem com isto!..."


Mesdre

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Pessoa de princípios


"SOU UM HOMEM DE PRINCÍPIOS!

Não apenas conduzido com base em muitos conceitos morais e éticos,
mas principalmente porque dificilmente termino o que inicio,
sempre me distraindo no meio do caminho...

Também sou ótimo para começar dívidas,
que parecem não terminar nunca!..."


Mesdre



segunda-feira, 4 de junho de 2012

Trabalha, escravo!

O texto a seguir não fui eu quem escreveu, mas me vejo descrito ali.




Trabalho escravo


Faz já um bom tempo que me pergunto se a escravidão um dia foi debelada como a paralisia infantil, o sarampo e outras doenças que acabaram com a vida de muitos brasileiros.

Penso isso nem tanto por conta dos escravos bolivianos das oficinas de costura da capital paulista, ou pelos “bóias-frias” das fazendas, mas muito mais pelos escravos engravatados que circulam pela Av. Paulista e outras avenidas importantes das capitais, que tem projetos a serem entregues com prazos estabelecidos por chefias que negociaram com clientes apressados. Prazos nem sempre condizentes com a realidade, querendo dizer que possivelmente vão ter que estar disponíveis 24h, virar finais de semanas no cliente, não estar em festa de aniversário de filho, passar em brancas nuvens datas importantes para a família e para ele próprio, perder prazos de pagamentos porque a cabeça estava totalmente voltada ao projeto (também esqueceu de colocar as contas em débito automático no banco), não ter direito a horas extras, mas ser cobrado a cumprir a meta, trocar as horas extras por banco de horas, mas só conseguir usufruí-las perto das férias, ser obrigado a “vender” parte das férias para não ficar fora muito tempo porque já está usando o banco de horas e o cliente não pode ficar tanto tempo com o funcionário ausente, não conseguir tirar férias decentes porque o dinheiro já está todo comprometido por conta dos juros que deixou rolar dos pagamentos que deixou de fazer, ficar as ferias inteiras preocupado se quando voltar ainda vai ter o emprego porque, por menos que ganhe é o seu ganha pão e com ele é que paga as dívidas. Qualquer atraso é considerado, mesmo que naquele dia o metrô tenha entrado em greve e tivesse que pegar ônibus supermegalotados, como se já não pegasse esse meio de transporte degradante quase todo dia, trabalhar “em casa” quer dizer, basicamente, estar disponível 24h, mesmo. Planos de saúde são pagos para serem usados, de preferência, nas férias para quando voltar esteja em excelente saúde. Família, nessa altura do campeonato, ou ama, ou odeia. Se ama, compreende e dá apoio incondicional, do contrário, a família passa a ser o cliente/empresa, até o próximo projeto, porque a família “original” já não existe.

Se isso também não é escravidão, então chega bem perto, o que acaba sendo a mesma coisa.

E, se é assim, as empresas estão prestes a receber um golpe duro da Norma Regulamentadora 31, a menos, claro, que isso não seja considerado trabalho escravo, já que o funcionário tem carteira assinada e residência (mesmo que durma na empresa). Está ali de livre e espontânea vontade...

Provavelmente, os únicos profissionais que estão livres dessas agruras escravagistas são os senhores políticos. Dá o que pensar... Porque, afinal, quem não sente na pele a dor da escravidão são os senhores dos escravos. Até mesmo quem não é senhor de escravos dá um duro danado para não cair na escravidão, o que o torna escravo de si mesmo, trabalhando de sol a sol.

Dá o que pensar..."



Por Mirian Bueno Martin



Bônus:

Dois artigos a respeito, publicados no jornal A Folha de S.Paulo em 04/Junho/2012 (abaixo reproduzidos):

Senzala debaixo do tapete
http://sergyovitro.blogspot.com.br/2012/06/carlos-bezerra-jr-senzala-debaixo-do.html


O guarda da esquina
http://sergyovitro.blogspot.com.br/2012/06/homero-pereira-o-guarda-da-esquina.html



----------------------------------------------------------------------------------

Senzala debaixo do tapete
( por Carlos Bezerra JR )

A escravidão segue mais viva e lucrativa em nosso país do que o mais ambicioso senhor de engenho poderia imaginar, no campo ou no centro de SP


"Dormíamos no chão e, às vezes, de luz acesa, para afastar os insetos. O banho era frio, e a roupa era lavada em baldes, sem sabão. Café e leite cheiravam a querosene e gasolina. Crises intestinais eram comuns entre os trabalhadores. Havia ameaças de morte."

Há uma violência latente sustentando obras públicas, empreiteiras importantes, grandes grifes e gigantes do agronegócio. A declaração acima é prova dessa exploração.

O relato foi construído com depoimentos de homens escravizados em empreendimento do programa federal Minha Casa, Minha Vida, em São José do Rio Pardo (SP). O caso, infelizmente, não é isolado. Por trás da propaganda do "novo" Brasil, há milhões de escravos.

A aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do trabalho escravo, na Câmara Federal, permitindo confisco de terras de escravagistas, é uma vitória. Relatórios do Ministério do Trabalho e Emprego, dos quais a descrição acima foi retirada, comprovam, porém, que esse crime não está apenas na zona rural, mas também nas metrópoles.

Só no Estado de São Paulo, foram centenas de casos no último ano. E, pasme, isso acontece graças à omissão de alguns parlamentares.

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa convocou a marca de roupas Zara e a Racional Engenharia para dar explicações. A primeira, sobre exploração de bolivianos; a outra, sobre condições humilhantes de trabalho. Elas são acusadas de crimes em rincões do país? Não. Em oficinas de costura no centro de São Paulo e em obra no Hospital Alemão Oswaldo Cruz, na avenida Paulista.

Se o trabalho escravo visa ao lucro, para combatê-lo é preciso gerar prejuízo a quem o pratica.

Por isso, apresentei um projeto que cassa o registro de ICMS da empresa que usar dessa exploração em sua cadeia produtiva e impede os seus sócios de exercerem atividade comercial por dez anos. Assim como não toleramos mais políticos "fichas sujas", não aceitamos mais ver só lindos anúncios publicitários. Queremos transparência, de fornecedores a modos de produção.

No Senado, a aprovação da PEC pode esbarrar outra vez nos ruralistas, que querem rever o conceito desse crime, ainda que relatório da ONU para Formas Contemporâneas de Escravidão confirme o artigo 149 do Código Penal: trabalho escravo é "trabalho forçado, jornada exaustiva, (...) condições degradantes e restrição (...) da locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto".

Em São Paulo, propus uma CPI. Mas, mesmo com dez assinaturas além do exigido, os trabalhos não começaram. O regimento, arcaico como o Brasil Colônia, só permite cinco comissões simultâneas, número já atingido. A falta de vontade política é exasperante. Inevitável questionar quais os interesses de quem adia o combate ao trabalho escravo.

No meio da omissão, vítimas se multiplicam. A mais nova denúncia remete de novo ao Minha Casa, Minha Vida, agora em Fernandópolis (SP). Um homem morreu devido à carga de trabalho desumana.

Se nada for feito, acontecerão mais mortes, porque há trabalho escravo no megaempreendimento imobiliário, na roupa que vestimos e até no inofensivo chocolate que comemos. São 27 milhões de escravos no mundo, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Se é verdade que troncos, correntes e pelourinhos viraram história Brasil afora, também é fato que a exploração a que remetem segue mais viva e lucrativa em nosso país do que o mais ambicioso senhor de engenho nunca imaginara.

Não há nada de inocente no atraso de tantas votações importantes. Sinceramente, quem tem medo do combate ao trabalho escravo na certa também lucra com essa violência.


CARLOS BEZERRA JR., 44, médico, é deputado estadual, líder do PSDB na Assembleia Legislativa de SP e vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos
Folha de S.Paulo, 04/06/2012


----------------------------------------------------------------------------------

O guarda da esquina
( por Homero Pereira )

Uma definição arbitrária de trabalho escravo fará fiscais punirem prazerosamente quem e quando quiserem, até com expropriação de terras


Para escrever este artigo, busquei inspiração num fato histórico de triste lembrança: o famigerado AI-5, imposto à nação por Costa e Silva.

Em 13 de dezembro de 1968, no Palácio do Planalto, a única voz discordante daquela atrocidade foi a do vice-presidente Pedro Aleixo. "Presidente, o problema de uma lei assim não é o senhor nem os que com o senhor governam o país; o problema é o guarda da esquina."

Infelizmente, a preocupação do político mineiro não impediu que aquele ato fosse assinado. A partir dele, todo o país passou a assistir às injustiças e aos crimes cometidos pelos guardas da esquina.

Pois é, assim como o corajoso Pedro Aleixo, nosso temor com essa Proposta de Emenda Constitucional 438, a PEC do trabalho escravo, é a sua total subjetividade e falta de clareza, deixando sua aplicação ao livre arbítrio não do guarda da esquina, mas dos fiscais ou auditores do Ministério do Trabalho.

Eles, a torto e a direito, saem país adentro com a temida Norma Regulamentadora (NR) 31, com seus 252 itens, elaborada por eles mesmos, a punir prazerosamente qualquer empregador que não observar as incongruências nela contida.

São incontáveis os absurdos da NR 31. Ela prevê, por exemplo, a expropriação do imóvel em construção.
O pretendente comprador perde tudo o que desembolsou se o fiscal entender que houve trabalho análogo ao de escravo.

Outra aberração é sobre o transporte dos trabalhadores rurais. No percurso do alojamento até as lavouras, todos os operários devem viajar sentados. Se, por qualquer razão, o fiscal encontrar um trabalhador em pé, isso é trabalho análogo ao de escravo. O proprietário é multado. A fazenda, passível de expropriação.
Esse procedimento não se verifica no transporte urbano. Seriam dois pesos e duas medidas?

A definição de trabalho escravo e degradante é tão genérica, inconsistente e arbitrária que qualquer empregador, urbano ou rural, pode ser multado ou punido ou ter sua propriedade ou indústria expropriada se assim entenderem os fiscais do trabalho. Se a NR 31 fosse cumprida à risca, todos os shoppings seriam fechados no país. Ela exige que para cada 40 empregados a unidade comercial tenha um banheiro próprio. Não se conhece uma loja sequer desses shoppings que tenha no seu interior instalação sanitária.

Esse tema é tão complexo e instigante que o próprio presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro João Oreste Dalazen, cobrou recentemente mais clareza da legislação que trata do trabalho escravo ou análogo. Segundo ele, os termos "jornada exaustiva" e "condições degradantes de trabalho" do artigo 149 do Código Penal são genéricos e dificultam a identificação dos locais onde há trabalho em "condições análogas às de escravo".

Por razões como essas, a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), formada por mais de 200 deputados e senadores, decidiu questionar a PEC 438, acolhendo apelos não só do setor produtivo rural como também da indústria e do comércio.

Nenhum de nós é a favor do trabalho escravo. Nós abominamos essa deplorável situação. Aliás, ninguém em sã consciência pode ser a favor do trabalho escravo. Somos, sim, contra a insegurança jurídica e a subjetividade que tanta inquietação vem trazendo aos empregadores rurais e urbanos.
Por isso, defendemos uma legislação que defina de uma vez por todas trabalho degradante ou análogo ao trabalho escravo.


HOMERO PEREIRA, 57, é deputado federal pelo PSD-MT. É o novo presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária
Folha de S.Paulo, 04/06/2012


----------------------------------------------------------------------------------

sábado, 2 de junho de 2012

Ações e Esperas




"Há 4 coisas que não se recomenda a ninguém:

a) nadar contra a correnteza;

b) correr na frente do trem;

c) ensinar caminho a doido;

d) esperar por quem não vem!"



"Apesar de pouco recomendável, podemos considerar o seguinte:

a) ... enquanto conseguir nadar, é bom sinal que não está afogado!

b) ... quanto conseguir correr, e sobre tudo à frente, é melhor que jazer embaixo!

c) ... enquanto tiver o que ensinar, e a perceber quem é o doido na lição, está bom!

d1) ... a esperança é um exemplo que nunca chega, e que vale a pena tê-la em conta!

d2) ... e não podemos inventar alguma coisa para fazer, enquanto esperamos quem não chega?"


Mesdre

domingo, 20 de maio de 2012

Desafio "Eu aprendi ... com ... "



Aprendizados


Sempre estamos aprendendo algo, mesmo que não seja a nível consciente, mesmo que não sejamos capazes de identificar o que, nem reconhecer com quem.

Mas eu creio que com um pequeno esforço a gente seja capaz de fazer um resumo ao final do dia ou a qualquer momento, se parar para refletir um pouco.

Eu desafio você a fazer uma lista do que você lembra de ter aprendido e com quem, mesmo que sejam coisas pouco óbvias.


Por exemplo:

1. Eu aprendi com meu dentista, o Dr. Fernando Rebeis, a escovar os dentes, massageando as gengivas, iniciando com movimento horizontal e vibratório, e com as cerdas da escova inclinada para que estas se encaixem bem no vão entre os dentes e então baixar as cerdas em movimento reto e perpendicular (além de insistir no uso do fio dental e bochecho).


(Imagem retirada da internet; veja o blog Saúde Total
www.saudetotal.com.br/artigos/saudebucal/odontogeriatria/escovacao2.asp
)


2. Eu aprendi com minha irmã, a me controlar quando falando ao telefone, procurando não me alterar (nem quando nervoso e com razão) e manter uma voz calma e suave (se possível até sorrindo).

3. Eu aprendi com a minha mãe, a olhar para o céu e enxergar e apreciar a beleza de cada dia, de dizer bom dia sincero e feliz a cada manhã.

4. Eu aprendi com a faculdade, que esta não forma profissionais, mas que apenas informa, para que estes se tornem profissionais.


E você? O que aprendeu? Com quem? Quando?


domingo, 6 de maio de 2012

EXTREMOS versus INTERMEDIÁRIOS



Achei ótima a frase complementar:


"Entre 8 ou 80... HÁ 72 POSSIBILIDADES!"


Eu não gosto e não acredito nestas tendências "quânticas"
de encarar e interpretar as coisas com apenas 2 estados de tudo:
sim ou não,
preto ou branco,
luz ou escuridão,
yang ou ying,
certo ou errado,
bem ou mal,
um ou zero,
tudo ou nada...

Parece ser mais fácil se apegar a esse modelo simplificado,
de impelir a uma escolha entre extremos opostos absolutos.

Na natureza há em tudo uma continuidade,
mesmo nas transições abruptas,
ainda que imperceptível no tempo
ou na nossa capacidade de entender e/ou perceber!

Existem sempre os meios termos,
aos quais não nos dão direito de os termos por inteiro.

Embora usemos o conceito prático do modelos do mundo digital/quântico,
a natureza (e até a eletrônica, onde o ideal se obtém por aproximação)
nos demonstra que o mundo É analógico/contínuo!


Entre o sim e o não,
tem o talvez e a dúvida das certezas.

Entre o um e o zero
tem as frações e uma infinidade de passos e degraus.

Entre o preto e o branco,
tem as cores e as várias tonalidades de cinza.

Entre a luz e a escuridão,
tem os fachos de luz, a penumbra e os reflexos tardios,
além de toda a memória do que havia quando se fecha os olhos.

Entre a fogo e a gelo,
tem o calor do dia e o frio da noite.

Entre o claro e o escuro,
tem dias nublados e noites estreladas.

Entre o passado e o futuro,
tem o presente que muda sempre, mas está sempre aí...

Entre o nascer e morrer,
temos vários momentos e atitudes em que somos do bem ou do mal,
portanto não pode haver um resumo final.

A vida não é um livro que começa numa capa e termina na outra.
São apenas capítulos de vários livros que se interligam,
e cada um faz sua própria leitura de sua história
e das dos outros com quem se relaciona (ou não),
e que vêm sendo escritos e que vai continuar,
até depois quando deixamos de ser personagens principais ou coadjuvantes.

Entre o eu e o você, tem o nós e os outros... e a internet!

Entre as pontas extremas, temos o inter-médio-diário
no dia-a-dia do nosso meio-ambiente que interagimos.


domingo, 29 de abril de 2012

Guinada Indy? Indignado!


Artigos passados e respectivos comentários continuam super atual! Todo ANO! (hahaha)


Velocidade nas ruas de SP?
http://mesdre.blogspot.com/2010/03/velocidade-nas-ruas-de-sp.html


Programa de INDY em SP
http://mesdre.blogspot.com/2010/03/programa-de-indy-em-sp.html


Programa de Índio Estrangeiro
http://mesdre.blogspot.com.br/2011/03/programa-de-indio-estrangeiro.html



Repetem o evento, mudaram a data, repete-se a chuva, repetiram a organização, repetirá o fracasso, os pilotos, a Band, o Luciano do Vale e o Prefeito achando que foi mais um sucesso, melhor do que o ano anterior (não tem como não ter sido, qualquer coisa seria de tão ruim que foi), e no ano que vem tudo vai se repetir de novo! Sobretudo a confusão no trânsito, cada vez pior!

Mas interesses sombrios e sinistros ditam o que é e o que não é, infelizmente, e não a lógica e o bem comum maior, como deveria ser.

A diferença da primeira prova para as seguintes, é que colocaram TAPUME de metal nas pontes e nas avenidas, para impedir os passantes (de veículo ou à pé) a observar as movimentações dos treinos e corrida.


[ colocarei foto disto aqui depois ]

Em vez de fazer despertar a curiosidade e chamar para mais perto, colocam uma barreira para poder cobrar pelo direito de ver, mesmo sendo um evento "de rua" da cidade! Cidadãos = receita + lucro! (ou, pelo menos = amenizar o prejuízo não oficial)

De novidade(?) para torcer este ano, teremos apenas o eterno simpático Rubinho Barrichello e a simplesmente gostosa competente Bia Figueiredo.

Aguarde o ano que vem, que tem. Boa sorte a todos!

sábado, 21 de abril de 2012

Mãe sabe das coisas (7)


"Na verdade, até hoje, não sei o que é verdadeiramente a verdade... :)

Um irmão, que 'gostava da verdade', ofendia muitos e desmerecia os outros;
Outro irmão já gostava de mentir e ganhava louros com isto.

Eu floreio literariamente alguns fatos para evitar magoar...
Onde está a importância da verdade absoluta, sempre a verdade, no nosso dia-a-dia?

Meu consolo é que até Cristo perguntou:
- 'O que é a verdade?'

E até hoje tentam responder a Cristo, sem sucesso!"


Luzia Martin (com 84 anos, em 04/2012)



Bônus:

Mãe sabe das coisas (6)

Mãe sabe das coisas (5)

Mãe sabe das coisas (4)

Mãe sabe das coisas (3)

Mãe sabe das coisas (2)

Mãe sabe das coisas (1)

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Exemplo da democracia francesa


Fico admirado da consciência política francesa!

Ontem recebi pelo correio do Consulado Geral da França, num único envelope, 10 folhetos com quatro páginas tamanho A4 cada um, dos candidato à presidência da República da França.

Como cidadão francês, sou CONVIDADO a votar (não é obrigatório!).

Muito prático e interessante esta abordagem eleitoral:

Tudo "democrático" sem gastos extras de campanha, tudo igual em direitos (nada de maior tempo de TV, ou mais propaganda para quem investe/gasta mais), em cada folheto tem tudo que o candidato quer dizer para chamar tua atenção, expor suas idéias, delinear seu pretenso programa de governo, fazer a publicidade que quiser, divulgar seu site, colocar as fotos que desejar, enfim, todos com o mesmo espaço para tentar te ganhar, conquistar teu voto.

E junto no envelope já vêm as cédulas de voto, 10 papéis simples de uns 10x15cm com apenas UM nome impresso: é só escolher UM dos papéis e levar pessoalmente nos postos de votação (e se quiser, ou não puder comparecer, posso até autorizar algum votante cadastrado, de minha confiança, votar por mim!).

Primeiro turno agora dia 21/abril, e o segundo turno no dia 05/maio, ou seja em apenas DUAS semanas a eleição está resolvida!

Sem papelada espalhada nas ruas (nem em nossas garanges e caixas de correio), sem gastos milionários, sem horários obrigatórios na TV de propaganda política (que de gratuita não têm nada), sem campanhas de T.R.E. (com gasto enorme de dinheiro público), nem custo imenso de logística e parafernalha eletrônica passível de fraude.

Tudo bem democrático, organizado, simples, otimizado, limpo, justo, honesto, equalitário.

Ça, c'est adorable, fantastic et admirable!
Vive la France!
Liberté, Egalité et Fraternité!





segunda-feira, 9 de abril de 2012

A vida como ela se apresenta


"Não temos a vida que desejamos,
mas aquela que precisamos aprender com ela."


Mesdre


Particularmente, acho que isto é
um tremendo despedicio de tempo e esforço,
mas, aparentemente, é assim que é!



quinta-feira, 29 de março de 2012

Para sobreviver num mar de lama


"Os últimos suspiros e respiro
têm que ser suaves e tranqüilos,
porque do contrário a agitação
pode fazer o mar de mer da
em volta mais revolto, e
entrar pelas narinas e
selar definitivamente o derradeiro"


Mesdre


"Ninguém quer a morte...
só saúde e sorte."


Gonzaguinha




Quanto menos se mexer,
mais chances de sobreviver um pouco mais?

Ao contrário dos que dizem que tem que agir,
bater pernas sem parar
até o leite virar manteiga
e ter apoio mais sólido
pro sapo pular fora do pote...
Acho que se morre antes
de cansaço, tentando... (rsrs)

Quem sabe, se souber esperar,
não aparece ajuda,
quando e de onde menos se espera,
não é mesmo?


sábado, 17 de março de 2012

Decisões e de cisões


"Nem sempre as decisões difíceis agradam às pessoas ao redor,
nem tampouco fica explícito para elas as próprias razões.
Para isto, vi que Adão Braga usa a interessante frase:

'você não conhece o meu lado ruim',
talvez como defesa e escudo
ou argumentação que evita questionamentos.

Decisões são sempre corajosas!
Até mesmo as decisões tímidas ou levadas a serem tomadas.

Não é fácil tomar decisões, mesmo para gestores profissionais.
Sempre pinta a dúvida.

Muitas vezes o critério para as decisões
são o chamado "risco calculado",
ou a prática com base em experiência anterior.

Ouvir a voz interior e a intuição é sempre (um) bom (guia), afinal.
O problema é quando essa vozinha intuitiva diz
para não decidir nada nem agir por enquanto...

Entra em jogo também outros fatores,
como questões sociais,
atitudes "politicamente corretas",
educação de berço e adquirida,
que pesam na hora do agir ou não.

Por exemplo, uma coisa que aprendi
sobre essa satisfação de conseguir ajudar
e apontar caminhos que a gente pensa ser certo,
é que tem gente que não gosta disto pro seu lado
e acha essa atitude (por mais altruísta
ou inocente que seja) muito prepotente...

Principalmente as mulheres, que não querem
que lhes digam o que devem fazer ou ser
mesmo que elas perguntem! rs
(conforme a reza a lenda "A escolha do Rei Arthur")

Entendo que decisões que causam
ruptura, separação, demissão,
e mudanças profundas em geral,
são possivelmente as mais difíceis,
pela incerteza de um futuro melhor.

Dizer adeus, quando se reluta, é muito sofrível,
sobretudo quando se alimenta, apenas do seu lado,
essa esperança dos acertos de rumos... juntos.

Por mais que achemos que temos
o controle do porvir em nossas mãos,
isto não passa de uma doce bárbara ilusão!"


Mesdre


(A Arte Medieval, contato: 12-8881-5831 e no Orkut tem mais trabalhos aartemedieval@gmail.com)


sábado, 10 de março de 2012

Sobretudo, pedras


"Um conselho comum de se ouvir,
'coloque uma pedra em cima',
quando a recomendação é
para se esquecer um assunto
e deixar de lado a discussão,
a fim de evitar atritos, desgates,
conflitos, desentendimentos,
brigas de brios e de egos,
muitas vezes por pouca coisa
ou de importância irrelevante
para o bem geral...
enfim, para se viver em paz.
Mas, CUIDADO!
Essa paz é ilusória,
e muito possivelmente temporária.
Ao colocar pedras sobre pedras,
ergue-se um muro,
que separa as pessoas...
E se a outra parte faz o mesmo,
o paredão se tornará maior e mais largo...
São pedras soltas, largadas.
Além de isolar-se,
no futuro,
ao menor cutucão,
esse muro,
um amontoado de pedras,
poderá desmoronar...
E, o que é pior,
tudo sobre você!"


Mesdre



quarta-feira, 7 de março de 2012

Fatalidade


"Cada um tem
a mulher que merece
e vice-versa."


Mesdre



Bônus:

Fatalidade =
fatal_idade =
a idade fatal =
o tempo passa, uma hora ela ocorre e não adianta correr: la femme fatale

segunda-feira, 5 de março de 2012

Cotidiano


"Cada um faz
da ilusão que vive
a sua realidade."


Mesdre


Bônus:

Cotidiano =
co_ti_dia_ano =
com ti, dia e ano =
todo dia, o ano inteiro, contigo

sábado, 3 de março de 2012

Teó_ricos di_vinos


"Teorias da conspiração são tão necessárias quanto os deuses."

(Inácio Araujo, crítico da Folha de S.Paulo)

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Simplificando algumas definições e conceitos (2)


"ARREPENDIMENTO que é uma inútil vontade de pedir ao tempo para voltar atrás"

"ADEUS dá o tipo de tchau mais triste que existe"

"BELO é tudo que faz os olhos pensarem ser coração"

"CALENDÁRIO é onde moram os dias"

"CONTRATO é 'você isso, eu aquilo, com assinatura embaixo'"

"DEDUÇÃO é o caminho entre o 'se' e o 'então'"

"DEFEITO é cada pedacinho que falta para se chegar à perfeição"

"EFÊMERO é quando o eterno passa logo"

"FÉ é toda certeza que dispensa provas"

"GRADE serve para prender todo mundo, uns dentro, outros fora"

"GENTE é carne, osso, alma e sentimento, tudo isso ao mesmo tempo"

"HISTÓRIA é quando todas as palavras do dicionário ficam à disposição de quem quiser contar qualquer coisa que tenha acontecido ou sido inventada"

"IDADE é aquilo que você tem certeza que vai ganhar de aniversário, queira ou não queira"

"LÁ é onde a gente fica pensando se está melhor ou pior do que aqui"

"LÁGRIMA é sumo que sai pelos olhos quando se espreme o coração"

"LOUCURA é coisa que quem não tem, só pode ser completamente louco"

"PECADO é algo que os homens inventaram e então inventaram que foi Deus que inventou"

"TESTEMUNHA é quem por sorte ou por azar, não estava em outro lugar"

"ZÍPER é um fecho que precisa de um bom motivo pra ser aberto"

"GOLEIRO é alguém em quem se pode botar a culpa do gol"

"ZAGA é algo que serve para o goleiro não se sentir o único culpado"



Adriana Falcão (do livro 'Pequeno Dicionário de Palavras ao Vento', Editora Planeta)




Bônus:

Entrevista com Adriana Falcão,
que fala deste texto e dá uma amostrinha:
http://www.letraseleituras.com.br/entrevistas/?a=adriana_falcao

Todo o pequeno dicionário de palavras ao vento,
transcrito no blog da Mari e com vídeo na voz de Lázaro Ramos:
http://mari-meucantinhodesonhar.blogspot.com/2010/01/palavras-ao-vento-pedro-bial.html

Você pode ler mais algumas redefinições simples e compreensíveis em:
Simplificando algumas definições e conceitos (1)
http://mesdre.blogspot.com/2012/02/simplificando-algumas-definicoes-e.html


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Simplificando algumas definições e conceitos (1)



"AMIZADE é quando você não faz questão de você, e se empresta pros outros"

"ANGÚSTIA é um nó muito apertado bem no meio do seu sossego"

"AUTORIZAÇÃO é quando a coisa é tão importante que só dizer 'eu deixo' é pouco"

"EXPLICAÇÃO é uma frase que se acha mais importante do que a palavra"

"INDECISÃO é quando você sabe muito bem o que quer, mas acha que devia querer outra coisa"

"PREOCUPAÇÃO é uma cola que não deixa 'o que não aconteceu ainda' sair do seu pensamento"

"PRESSENTIMENTO é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista"

"SAUDADE é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue"

"SENTIMENTO é o idioma que o coração usa quando precisa mandar algum recado"

"SUCESSO é quando você faz o que sabe fazer, só que todo mundo percebe"



Adriana Falcão (no livro Mania de Explicação - Salamandra, Editora Moderna)





Bônus:

Ouça "Mania de Explicação", com a própria Adriana Falcão, em contação de história:

http://www1.folha.uol.com.br/livrariadafolha/945902-contacao-de-historia-ouca-mania-de-explicacao-com-adriana-falcao.shtml


domingo, 5 de fevereiro de 2012

Suportar e persisitr


"A escuridão da noite é maior pouco antes do amanhecer."

Harvey Dent, promotor e Duas-Caras (do filme 'Batman - O Cavaleiro das Trevas')




quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Prostíbulo?


Casas de massagens

Fiquei chocado ao ouvir uma reportagem na Rádio CBN, na última 3a-feira dia 24/01/12, sobre denúncia de casas de massagens na parte nobre da zona sul de São Paulo.

A denúncia alegava que essas casas ofereciam bem mais do que uma "simples massagem terapêutica", e que seriam prostíbulos disfarçados...

E então a reportagem colocou no ar áudios (ou "sonoras", no linguajar radiofônico) do que o repórter de campo conseguiu investigar.

Resumindo: Do lado de fora parecem "clínicas normais". Uma bela recepcionista presta todas as informações. O preço da massagem é 250 (por exemplo), que pode ser pago com cartão de crédito, inclui uma massagem relaxante e a tailandesa; se quiser algo mais, acerta diretamente com a massagista. A massagista pode ser escolhida, tem até fotos delas (apresentadas em reservado).

Estas foram as respostas gravadas. O repórter-espião, que se fazia passar por cliente ignorante, insistia com perguntas para obter alguma revelação comprometedora. E o tom da apresentação insinua que o "reduto de prostituição" funciona com o alvará da prefeitura.

A reportagem termina dizendo que procurou a prefeitura, que disse que vai apurar a denúncia.

Bem, primeiramente, o que eu ouvi das entrevistas clandestinas não havia nada demais: as moças prestavam a informação necessária e que era solicitada, as empresas cobram pelo que oferecem e ainda permitiam escolher quem faria o serviço contratado e devidamente pago... O caráter comercial justificaria alvará da prefeitura.

O que me chocou foi a denúncia, como foi divulgada, e a forma como a reportagem procedeu.


(imaginário sobre casas de massagens às vezes não condiz com a realidade)


Eu gostaria de entender a definição "condenatória" de "oferecer algo mais do que uma simples massagem terapêutica"...

O que é "simples", e o que é de legal (permitido por lei) nisto? As clínicas não ofereciam sexo, mas massagens. E deixavam claro que qualquer outra coisa não era serviço da empresa, que deveria ser entendimento particular entre as pessoas. Isto me soa normal.

A outra coisa que me deixou atônito, é que, mesmo que o sexo (em forma de "prostituição" denunciada) fosse o caso de haver naquelas tais casas de massagens, a apresentadora-âncora do programa, Fabíola Cidral, deveria saber que este é um "caminho alternativo" (nome de um programa por ela mesma apresentado aos sábados na mesma rádio) para se conseguir algum equilíbrio numa cidade tão estressante como São Paulo. Aliás, atividade cada vez mais reconhecida e recomendada, medicamente, como terapia anti-estresse e saudável.

Agora o que mais me deixou indignado mesmo foi a forma de invasão de privacidade consentida pela rádio. Porque mesmo estabelecimentos comerciais têm direito à privacidade, e adentrar neles gravando conversas sem que estes saibam que estão sendo entrevistados, para mim entendo como espionagem, sobretudo quando colocam isto a público se não autorizadas.

O repórter se fez passar como cliente (e teria todo direito de sê-lo) e foi tratado como tal. Mas ele agia como policial ou fiscal investigador (sem sê-lo!), sem se apresentar assim ou como repórter realizando uma reportagem, que seria divulgada.

Se permitir sexo for ilegal, isto que a reportagem fez me soou muito mais imoral!

Aliás, acho que preciso conhecer uma dessas casas de massagens... Qual era o endereço mesmo?
(rsrs)

(conceito da massagem tailandesa, feita com o corpo também)


terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Dica sobre assuntos polêmicos


"É muito raro eu publicar imagens ou opiniões polêmicas,
pois serei sujeito a uma resposta que eu não gostaria de ouvir.
Então fica a dica:
se quem é a favor do papa, do casamento gay,
se é vegetariano ou carnívoro,
se gosta do BBB ou não...
Se você publicou alguma opinião própria
ou uma imagem que mostre sua opinião,
esteja preparado/a para ouvir o que não gostaria.
Só isso."


Davi Martin (no FaceBook, em Janeiro/2012)


sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Blogueiros e Interatividade (2)


PessoALL,

Eu confesso que fiquei surpreso: e particularmente contente, de ver como muita gente teve paciência e interesse de ler e comentou o post anterior, Blogueiros e Interatividade (1).

Foi um loooongo texto, escrito aos pouquinhos, no celular, aproveitando uma ou outra brecha de tempo, durante vários dias; passei mais de um mês compondo o texto
(rsrs). É como muitas vezes escrevo para este blog, quando não são apenas frases para reflexão.

Como foi dito na interatividade dos comentários, aquilo foi muito mais um desabafo do que um artigo didático, apesar de ter quem achasse assim.

Mas demonstra uma coisa, pelo menos: que muitas pessoas se identificam na internet! Um pouquinho lá, outro pedacinho aqui, e assim vamos nos encontrando por aí, recompondo o quebra-cabeça que fazemos de nós mesmos.

Eu queria agradecer todas as contribuições na forma de depoimentos de suas próprias experiências e entendimento.

E, apesar de ter dito bastante, deixei de expressar uma coisa que me intriga muito no mundo da blogosfera.

Justamente por não ser tão freqüente nas visitas, quando eu retorno a um blog que não via há tempos, eu procuro navegar entre as postagens anteriores, para ver o que andei perdendo desde minha última visita. Afinal, não sei quando voltarei a passear por ali, a despeito da minha vontade que seja breve.

E também quando se trata de primeira visita, é de meu interesse conhecer aquele cantinho melhor, e me permito adentrar páginas e nos posts mais antigos.

Não costuma ser uma atitude muito comum entre blogueiros, em geral.

Talvez, pela instantaneidade que a internet permite, e pela velocidade com que as informações nos inundam na atualidade, fica sempre pairando no ar esta necessidade de ver e reagir apenas com o que se expõe, com o que se nos apresenta imediatamente e facilmente.

Penso até que a geração mais nova já vem assimilando isto tudo e vivencia esse imediatismo como natural e óbvio, como já contei um caso noutro post (Desejos imediatos, http://mesdre.blogspot.com/2008/12/desejos-imediatos.html)

Então, nos blogs, a tendência é ver apenas o post mais recente, o último que o link de seguidor atualiza, não importando quanto material bom aquele blogueiro tenha já escrito e publicado antes. E tem blogues há muito tempo no ar, com muito conteúdo inédito (para visitantes novos).

Eu, particularmente, penso que post não tem período de validade. Faz parte do acervo, da obra literária e criativa e pessoal, de cada blogueiro.

E exatamente porque cada um tem seu tempo, muitas vezes há post que ficaram sem ser vistos, e com toda certeza mereciam, se não fosse o desacerto de nossos tempos, ao levar o nosso dia-a-dia.

Como diz uma máxima: "para piada velha, há sempre público novo!". Ou seja, mesmo coisa antiga, já publicada e lida por muitos, terá sua novidade e importância que certamente tocará alguém muito depois, que lerá pela primeira vez (talvez até por acaso).

Fico sinceramente triste quando algum conhecido "fecha", ou encerra mesmo, o blog. De repente, todo aquele material, muito até que você já leu, gostou e comentou, desaparece do espaço cibernético, da internet. Se é amigo/a e eu tenho alguma liberdade, eu tento realmente demovê-lo/a da idéia.

Não sei ainda por quê, mas desde novembro não consigo mais acessar meu antigo blog, mesdre.myblog.com.br, nem o servidor-blogger que era o MyBlog e o MyPage. Parece que sucumbiu e não deu mais notícias...
Aliás, ao tentar hoje acessar o provedor do MyPage e Myblog, o site Click 21, da Embratel, descobri que está encerrado desde 31/Outubro/2011... sem porquês.
Será que temos algum direito, ou esperança de recuperar alguma coisa que colocamos ali? Receio que não... E com isto, todo meu primeiro blog está perdido! Lamentei muito, profundamente.

Espero que não acontece com este daqui também, em algum futuro próximo...



"Mas a vida segue adiante.
E nós, os sobreviventes, seguimos com ela.
Até enquanto pudermos."


Mesdre

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Blogueiros e interatividade (1)


A internet possui muitas redes sociais. Nelas, as pessoas se interagem: criam perfis, enriquecem suas páginas com pensamentos, opiniões, compartilham fotos e vídeos, relacionam amigos e passam a visitar suas páginas, trocando comentários breves e mantendo contato.

Os blogs funcionam de forma parecida: cria-se um perfil, que possui uma ou mais páginas, onde se publica texto ou frases, fotos ou vídeos, compartilha assim com seus leitores visitantes as suas opiniões, idéias e pensamentos, nestes chamados posts, que permitem comentários voluntários, em geral.

Uma diferença básica é que os blogs são públicos, e podem ser visitados por qualquer internauta. Embora o blogueiro tenha opção de "fechar" seu blog, ou seja, restringir acesso e leitura apenas para convidados.

E as redes sociais são por concepção já "fechadas". É preciso ser membro cadastrado para participar, liberdade apenas para seus integrantes.

Eu resisti um bom tempo antes de me aventurar nas redes sociais, no Orkut, mesmo depois de seu ápice de popularidade no Brasil. Está lá, largado... De vez em quando eu lembro de ir ver se tem algum recado novo ou algum colega antigo me achou. Isto achei um mérito da experiência no Orkut, reencontrar amigos esquecidos ou afastados por força do rumo de nossas vidas, e parentes distantes, nunca antes conhecidos.

O mesmo aconteceu com o tão badalado Twitter. Evitei o máximo que pude, mas cedi finalmente, pois precisava conhecer esta "tecnologia". Criei um perfil e experimentei. Achei o recurso limitado pelos apenas 140 caracteres de mensagem, apesar de entender que é um bom exercício de sintetização das idéias. Mas parece haver uma competição fútil em colecionar seguidores, uma inundação de mensagens que mais poluem do que informam, quando não são usadas como fofoca ou para crucificar alguém. Poucas empresas estão tentando usar isto como mais um canal disponível de intercomunicação, mas acaba sendo via unilateral.

O Facebook é outra febre que contamina cada vez mais pessoas. Eu também já tive um perfil para conhecer. Mas quando seu criador, Mark Zuckerberg, disse que os dados pessoais dos membros são públicos e que não teria mais compromisso e nenhuma responsabilidade com sua confidencialidade, achei muita "sacanagem" com os antigos adeptos que o elevaram à condição de popular e famoso, e que ingressaram na rede com essa garantia, ora levianamente quebrada. Aderi ao "suicídio blogal" que globalmente alguns promoveram em protesto, e desde então o Facebook não me seduziu mais.

Voltei recentemente a criar um perfil no Facebook. Legal encontrar muitos amigos também lá, mas minha impressão não mudou muito: há uma inundação de "posts" e compartilhamento de coisas (textos, imagens e vídeos), que fica impossível de se acompanhar esporadicamente, apenas aqueles que estão conectados o tempo todo conseguem ler, curtir e comentar tudo que aparece pela frente na sua página principal. Coisa de louco...
(rsrs)

Eu sou blogueiro. Desde 2007, quando usava para compartilhar minhas impressões de viagem dentre outras coisas, gostei da experiência. Assumo a "camisa" de blogueiro. E sobre isto vou comentar algumas observações.

Há vários hospedeiros de blogs (chamados bloggers) gratuitos, e uns tantos pagos. Afinal, na prática, aquilo vai virar sua página pessoal na internet, sem que você tenha um site. Alguns preferem pagar e ter um ar mais profissional na sua página.

Os bloggers oferecem uma série de templates, que são visuais e aparências diferenciadas para você escolher e personalizar a "cara" do seu blog, além dos diversos recursos para administrar e incrementar com acessórios e outras facilidades.

Todo blogueiro gosta de escrever e de ser lido. Mas não necessariamente de ler. E isto explica o comportamento de muitos blogueiros.

Você pode alimentar seu blog, publicando posts, e deixar à espera de leitores ocasionais. Ou fazer o que é prática muito comum entre blogueiros: passa a seguir os blogs que você visita ao acaso, e freqüentar periodicamente, deixando comentários que leu. Isto desencadeia uma troca de gentilezas e fortalece amizades virtuais, que por sua vez estimula mais postagens, seja pelo seu poder criativo, seja pelos seus leitores, a quem agrada.

Então, estabelece-se assim uma estratégia informal do tipo "eu vou no seu blog, leio e comento; você vem no meu, lê e comenta", e assim se fortalece este cíclo virtuoso (ou vicioso?).

Em geral isto se faz naturalmente: uma aparição, um comentário deixado, e nenhum convite explícito, tudo subentendido,.. Uma espécie de "netiqueta" invisível e não instruída sutilmente "obriga" o visitado a retribuir a gentileza.

Alguns novatos ou ávidos por público deixam rastros bem intimidantes do tipo "tem post novo lá no meu blog" e assina com o link do endereço, sem sequer comentar o post que (não) leu.

Outros, mais tímidos, apenas registram-se como seguidores dos blogs visitados, e deixa que a curiosidade e interesse daquele blogueiro venha conhecer a "casa" e o estilo de quem fez questão de integrar sua lista de "fãs".

Ninguém é obrigado a gostar do post que lê, do estilo do blog que visita, ou de comentar todo post publicado. Comentários espontâneos e relativos ao post publicado são em geral mais bem vindos.

Há quem goste de usar os comentários para deixar recados ou travar conversas telegráficas, sem que tenham qualquer relação com o tema do post, mas aquece o lado da amizade virtual.

Enfim, cada um com suas preferências, o importante é interagir.

Pessoalmente, eu prefiro trazer esse tipo de interação mais direta para conversas online via chat (instant messengers) ou troca de emails, e focar os comentários e suas respostas no tema do post.

Porque tem leitor de blog que também curte ler comentários de outros leitores, mesmo que não sejam comentários dirigidos a si. Estas pessoas gostam de absorver a totalidade do post, inclusive da impressão e opinião dos outros. Eu acho isto interessante. Em alguns casos, pode até virar um fórum de debate a muitas mãos. Ou inspiração para seus próprios posts...

Postar, ler, comentar, responder. Tudo isto é muito bom. Mas precisamos admitir: toma um tempo danado! Um tempo que muitas vezes não temos! Nem é questão de querer... Principalmente quem não é "blogueiro profissional" e tem outros afazeres, ocupações e empregos para dar atenção.

Então, apesar do prazer e esforço do blogueiro de querer postar quase todo dia, e visitar e ler blogs legais, acaba postando cada vez mais esparsado, visitando ao acaso, somente seus preferidos, e retribuindo visitas de seus preciosos comentaristas. Com sorte e persistência, não chega a fechar seu blog e desistir de blogar com o tempo.

Como disse um colega meu (argentino), "Blogar é uma terapia. Pode-se economizar com analistas e psicólogos, quem recorre a montar um blog. Se soubesse disto antes, teria começado mais cedo."

Eu sou blogueiro. Gosto do que escrevo. Gosto de comentar o que leio nos blogs dos outros, e gosto de responder aos comentários deixados, sempre que posso. Admiro que faz o mesmo.

Mas concordo que esta terapia e lazer é "time consuming". Eu chegava a gastar mais de duas horas ou mais por dia, só visitando e comentando blogs dos outros. E levo uma hora ou mais preparando meus posts (acho que sou um tanto exigente ou perfeccionista demais
rsrs). Também deixo agendado posts que serão publicados alguns dias depois. Isto é um bom recurso para aproveitar as janelas de tempo de dedicação ao blog, e faz parecer que estou mais presente e constante.

Não gosto de colocar penduricalhos na página do blog, como selinhos, propagandas etc... Acho que poluem muito o visual e deixam a página pesada para ser carregada. Acho inteligentes aqueles que criaram mais um blog só para exibir seus troféus, selos e memes ganhos ou produzidos. Aliás, considero uma boa prática possuir mais de um blog, dedicados a temas/estilos bem distintos.

Muita gente pode discordar, sei de amigos blogueiros adeptos da prática, mas eu detesto páginas que quando você abre já sai tocando uma música. Desligo logo o auto-falante do meu computador, pois isto é mais rápido do que ficar tentando achar aonde é que desliga esse som no blog. Isto pra mim desestimula a visita a estes blogues num ambiente de trabalho (caso se tenha alguma folguinha) ou quando houver mais gente por perto fazendo outras coisas, ou se você já estiver ouvindo outra coisa quando abrir aquela página (entre outras janelas, tão comum em multitarefas). Entendo que é uma "decoração sonora" do blog se aproveitando do recurso multimídia. Mas prefiro apresentar um link ou um botão para que sua escuta seja voluntária e não impositiva. Minha opinião.

Também compreendo blogueiros que amam seus cantos e se encantam com os comentários recebidos, e se confinam em si, nunca respondem comentários, nem visitam outros blogs e comentam lá. É um direito que possuem e o exercem. A despeito da qualidade dos posts e da quantidade de seguidores e comentaristas, e fico com a impressão que estão sempre muito ocupados ou só usam o tempo de internet que têm para compartilhar novos posts.

Eu sou blogueiro. E agradeço imensamente aos demais blogueiros, amigos e leitores, que fazem sobreviver esta prática saudável. Sobretudo àqueles que participam deixando seus comentários. Muito obrigado!


segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Uma vintena de dúzias


2012 ~ 20.12 ~ 20*12 ~ 20 x 12

Vinte vezes doze.
Duas dezenas de dúzia.
Neste ano de 2012,
que inicia na noite que luzia,
vim te ver e dizer
com sinceridade,
que desejo (a você):
vinte dúzias de felicidade !
Encontre-as e use-as
Como bem puder e quiser.
A cada dúzia, uma dose,
Um doce a cada beijo.


Related Posts Relacionados with Thumbnails